A subutilização das ciclovias de Belo Horizonte não se deve apenas à desconexão entre as pistas exclusivas. O sucateamento dos trechos, a sinalização precária e principalmente a falta de respeito de motoristas e pedestres impedem que bicicletas sejam usadas como meio de locomoção por mais pessoas na capital. Apesar da promessa da prefeitura de atingir 40 quilômetros de ciclovias em 2011 e superar os cem este ano, a cidade só conta, hoje, com oito rotas. Juntas, elas somam 36 quilômetros. A meta do programa PedalaBH é oferecer uma rede interligada de 380 quilômetros até 2020.

A BHTrans reconhece o atraso no cronograma e a necessidade de reformas em trajetos antigos – como no entorno da lagoa da Pampulha, na avenida Saramenha (zona Norte) e na rua Doutor Álvaro Camargo (Venda Nova) – e promete investimentos.

Em setembro, a Associação de Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte (BH em Ciclo) concluiu um relatório sobre a situação das ciclovias da capital. O estudo apontou abandono das antigas rotas e erros na construção de trechos das novas. O levantamento está no site http://bhemciclo.org.

Problemas comuns nos percursos são falta de sinalização luminosa e de placas em cruzamentos, ausência de proteção acima dos bueiros, pinturas derrapantes, falhas na limpeza, existência de obstáculos, desrespeito ao espaço destinado às bicicletas e até a implantação de pontos de ônibus nas pistas exclusivas. “Criam ciclofaixas sem consultar os ciclistas e não garantem a segurança do usuário”, afirma um dos fundadores da BH em Ciclo, Guilherme Tampieri. “Além de tirar o espaço do pedestre, as ciclovias não levam a lugar algum”.

Espaço disputado

Nas oito rotas visitadas pelo Hoje em Dia, seja pela falta de informação, de passeios ou dos próprios ciclistas, as vias especiais foram transformadas em pista de caminhada. É o que acontece, por exemplo, na avenida Bernardo Monteiro, no Santa Efigênia (Leste).
Até em trajetos tradicionais, como o da lagoa da Pampulha, quem usa bicicleta prefere se arriscar dividindo espaço com veículos a correr o risco de se acidentar com pedestres.

“A ciclovia não dá volta completa na orla e peca na demarcação do espaço de cada um”, reclama o estudante Hudson Marchesi Amaral, de 30 anos, praticante de ciclismo no ponto turístico de BH. Leia na edição digital do Hoje em Dia a disputa de espaço entre pedestres e motoristas.

Imagem

Texto e fotos retirados do link.