Ontem, a BH em Ciclo se reuniu com representantes da BHTrans para discutir a situação do programa Pedala BH. Representando a BHTrans, estiveram presentes Célio de Freitas, Diretor de Planejamento, Marcelo Cintra, Gerente de Coordenação de Políticas de Sustentabilidade, José Carlos Ladeira, Coordenador de Projetos de Trânsito, Mauro Luiz, Supervisor de Projetos e Obras Especiais e Eveline Trevisan, Assessora da Presidência. Representando os ciclistas, Amanda Corradi, Augusto Schmidt, Edvaldo Teixeira, Guilherme Tampieri, Thiago Rodrigues e Vinícius Mundim, do Grupo Mountain Bike BH.

Em função do curto tempo entre a reunião e a Audiência Pública hoje, faremos apenas um breve resumo dos temas tratados.

Na pauta principal estavam os problemas que os ciclista têm detectado nas ciclofaixas recém implantadas ou em implantação na capital. Entre os assuntos discutors estavam os projetos que colocam a vida dos ciclistas em risco, ao invés de protegê-los, desrespeito às normas técnicas, falta de uma lógica de implantação e má qualidade dos materiais empregados.

O diretor de planejamento, Célio de Freitas, propôs o início de um agenda conjunta da BHTrans com a BH em Ciclo, para que os projetos de infra-estrutura cicloviária passem a levar em consideração a opinião dos ciclistas. Nesse sentido, seriam formadas duas frentes de trabalho a ser cumprida na ordem abaixo:

1 – Análise dos projetos que estão previstos para serem implantados em 2013;

2 – Análise das ciclofaixas em implantação para ver o que pode ser feito para minimizar os riscos por elas oferecidos.

Alguns outros tópicos foram tratados:

– Os representantes da BHTrans afirmar durante a reunião que a Rua Fernandes Tourinho, possivelmente, será recapeada, ou seja, a ciclofaixa que está lá hoje teria sido apenas uma espécie de teste. Não ficou claro por que a BHTrans investiu dinheiro público numa obra que tem grande chances de ser destruída e ainda por cima colocando os ciclistas em risco;

– Foi proposta a organização de um seminário sobre planejamento cicloviário e montagem de um caderno de normas técnicas para ciclovias e ciclofaixas da BHTrans;

– A BHTrans deu abertura, inclusive, para rever a lógica de implantação das ciclofaixas/ciclovias;

– Os membros da empresa mista informaram que, há cerca de três anos, todos os licenciamentos de empreendimentos levam em conta a instalação de bicicletários para serem aprovados;

– Foi reiterada, conforme já havia sido informada no Workshop, (leia abaixo) a boa notícia de que as obras do BRT na Avenida Vilarinho serão adaptadas para manter a ciclovia, embora ela retire o espaço dos pedestres transitarem em diversos pontos (isso foi frisado pelos integrantes da BH em Ciclo);

– Ficou agendada uma reunião para a próxima semana e acordada a realização de reuniões regulares para continuar a discussão sobre as ciclovias, bem como o tratamento de outras pautas: campanhas educativas, treinamento para motoristas de ônibus e táxis, entre outras.

Durante a reunião foram abordados muitos assuntos e não foi possível se ater por muito tempo a cada um deles.  Lembrando, haverá uma Audiência Pública na Câmara Municipal e a  contribuição de cada um enriquecerá o debate.

WORKSHOP
No dia 20/11/2012 , a BH em Ciclo esteve presente no evento: “Workshop BHTrans: Discussão sobre o Plan Mob e a Implantação do BRT em Belo Horizonte”.

Segue abaixo a apresentação feita pelo Marcelo Cintra, Gerente de Coordenação de Políticas de Sustentabilidade da BHTrans, sobre o Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte.

Mais informações, bem como os balanços do Observatório da Mobilidade, podem ser obtidas no site http://www.bhtrans.pbh.gov.br/observatorio.