Parece que a prefeitura de Belo Horizonte, por meio da BHTrans, tem se superado negativamente quando executa os projetos do programa PedalaBH.

A BH em Ciclo, por meio de seus membros, percorreu as recém pintadas ciclofaixas das avenidas Tancredo Neves e João XXIII. Assim como nas demais que têm sido pintadas da noite para o dia, sem uma revisão ao projeto inicial ou consulta aos ciclistas, essas ciclofaixas demostram o descaso e/ou despreparo da BHTrans no planejamento e na execução do programa PedelaBH.

Conforme já foi dito nesse blog, a prefeitura tinha uma meta de 40km para o final do ano de 2011 e de 120 km para o final de 2012. Na busca por essas 40kms, a BHTrans tem feito os projetos da maneira que se pode ver nas fotos abaixo.

O risco à integridade física dos ciclistas nessas novas ciclofaixas da cidade é enorme e, infelizmente, parece que irá se repetir em um futuro próximo.

A BH em Ciclo questiona a necessidade da BHTrans de pintar as ciclovias e ciclofaixa, em todo o seu percurso, uma vez que a tinta é um material caro e onera, sem necessidade, o projeto final de cada trecho. Ademais, a tinta utilizada atualmente é escorregadia e, no período chuvoso, torna-se uma ameaça contra os próprios ciclistas.

Os erros são latentes e aponta-se alguns deles aqui:

– Pintura e tinta de baixa qualidade;

-Mau planejamento e execução da pintura;

-Ciclofaixa feita utilizando a sarjeta como parte dela e, por isso, tem declives;

-Bueiros sendo parte da ciclofaixa e sem estarem no sentido contrário ao da circulação;

-Até o presente momento, falta de sinalização horizontal e vertical, luminosa ou não, que deem o mínimo de segurança ao pedestre, ciclista e demais usuários da via ao lado;

-Falta de integração entre os trechos da própria ciclofaixa.